Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



27
Mar21

Rápida partida!

por cristina mota saraiva

Não, ainda não percebi!... se esses teus olhos, que se destacaram desse rosto pacifico, apesar de sorumbático, me cativaram logo, ainda não percebi, dizia, se são verdes, azuis ou cinzentos. Esse foi o teu primeiro fascínio: um olhar enigmático, doce e intenso, se é possível juntar estes dois adjetivos para caraterizar um olhar… o teu olhar!

desencontro.jpg

Foste tu que vieste ter comigo e me pediste se podias sentar-te naquela mesa, na esplanada. Acedi, sem te dar muita importância e voltei ao livro que estava a ler! Não gostava muito deste tipo de abordagem, mas desvalorizei, porque foste educado. E ali ficámos. Veio o empregado e eu pedi um sumo de laranja e um croissant com fiambre. Pediste o mesmo! “Igual”, disseste.

Foi o arranque da conversa.

- Não estou mesmo a incomodar? – perguntaste.

-Não acho muito normal, com tantas mesas disponíveis, vir sentar-se precisamente na minha.

- Então porque permitiu? – continuou.

Já não estava a gostar muito daquela conversa sem nexo.

Aproveitei bebi um gole para ganhar tempo e relaxar, procurando não ser brusca.

- Olhe, nem sei. E foi aí que reparei bem no teu rosto, nos teus olhos… em ti como um todo!

Depois veio o resto… a tua conversa, boa conversa, séria quando tinha que o ser, ponderada, quando necessário e alegre quando o rosto se te iluminava, como se acabasses de ter uma ideia fantástica, só faltando a lâmpada acesa por cima da tua cabeça, como acontece nos desenhos animados. Mas tu eras bem real, ali ao pé de mim, sentado num banco daquela praça sem trânsito, calma e cheia de luz.  Tivemos boas e grandes conversas, sobre tudo e sobre nada e diariamente ali estávamos. Nunca combinámos nada, mas sempre nos encontrámos ali, sem horas, sem motivo. A conversa fluía tão facilmente que nem dávamos pelas horas a passar. Ambos levávamos um livro e algumas vezes um jornal. Quase sempre ficavam por ler. Era apenas um motivo… para nos encontrarmos  ali naquela mesa da esplanada no meio do parque. Sem combinarmos, sem marcarmos hora.

Foram longas conversas, diariamente… e a seguir o silêncio. Não respondeste às mensagens, não disseste mais nada… foste, simplesmente, ainda mais rápido do que chegaste. Tiveste medo, acredito. Como diria o outro era muita areia para a tua camioneta. E pronto ficam as recordações das  conversas, dos olhares. Nada mais, mas ainda assim, tudo!

Tudo porque te deste e eu me dei, em simples conversas e muitos olhares, nem um toque. E ficou tudo dito! Não! Faltou uma coisa… a despedida, a explicação! Ainda hoje não sei porque deixaste de aparecer, como nunca soube porque apareceste. Quem sabe um dia… nos encontremos por aí…


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2021
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2020
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2019
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2018
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2017
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2016
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2015
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ


subscrever feeds