Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



20
Set20

Da amizade ao amor

por cristina mota saraiva

Conheceram-se na Internet. Um pedido de amizade, através do Facebook foi o primeiro passo. E foi dele. Ela aceitou, por constatar que residia numa localidade próxima, que ela conhecia bem e onde se deslocava amiúde e porque ele trabalhava numa instituição que ela, por inerência da profissão visitava regularmente.

reciprocidade.jpg

Aceitou e foi também ele o primeiro a falar. Através de Messenger agradeceu-lhe a amizade. Ela disse-lhe que: “a amizade não se agradece, merece-se”! Tudo começou assim! Ele conhecia-a, precisamente por causa da profissão dela e porque ela também, ainda casada, frequentara o Parque de Campismo, onde ele, por vezes também estava, igualmente por inerência do seu trabalho.

Daí ter dado o primeiro passo. E assim foram falando e conhecendo-se.

Primeiro ele entrou a medo e questionou se o namorado ou marido não se importavam que trocassem mensagens. Ela disse que estava livre e ele relaxou.

Ambos tinham filhos, se bem que a dela já tinha a sua vida. O dele não, estava prestes a entrar na adolescência.

Ela era mais velha. Quando ele nasceu, ela já tinha 15 anos. Esse foi logo o primeiro obstáculo que ela colocou. Ele desvalorizou. Afinal, eram ambos adultos e que mal havia em serem amigos. Sim, era verdade! Que mal havia nisso.

E foram falando, conhecendo-se! Aproximando-se, ainda que virtualmente. Ela que nunca fora de dar grande confiança a desconhecidos foi-se deixando envolver… quando deu por ela estava apaixonada.

Começou por negar e até deixou de responder as mensagens dele. E ele, ainda assim, insistia. E ela não ligava, não atendia os telefonemas, chegava mesmo a desligar para que ele percebesse e não insistisse.

Lutava contra ela mesmo mas achava que tinha que ser assim.

Só que ele não pensava assim. E, um dia, sem ela esperar, ele apareceu perto da casa dela. Esperou escondido que ela saísse, para ir ao café e, sem que ela esperasse saiu-lhe ao caminho.

Ela ficou estupefacta! E ele só disse: … se Maomet não vai à montanha…”

Ela não teve reação, mas lá bem no fundo gostou da surpresa.  Fingiu-se zangada e continuou a caminhar. Ele agarrou-lhe no braço, primeiro e depois pegou na mão. Não a deixou falar e começaram a andar. Só ao fim e alguns passos, ela disse: “isto é uma loucura.

“Então sejamos loucos!” e abraçou-a. Ela não teve reação e deixou-se levar. Decididamente…não iria resistir mais, puxou-o e deu-lhe um beijo profundo.


2 comentários

Imagem de perfil

Sandra 20.09.2020

adorei esta partilha! Palavras cheias de sentimento, de um lado humano muito real e tocante. Adorei! Muitos beijinhos e bom resto de dia
Imagem de perfil
Obrigada Sandra! São mesmo sentidas, Acredite! obrigada por m acompanhar. Espero que continue!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2021
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2020
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2019
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2018
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2017
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2016
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2015
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ