Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



29
Abr20

# fique em casa para que não voltemos atrás

por cristina mota saraiva

fique em casa.jpg

 

A vida vai acontecendo lá fora e nós cá dentro! Esta cena de estarmos fechados dá que pensar. Eu até já passava algum tempo em casa. Mas ser obrigatório, custa mais. Ainda por cima em alturas de lembrar Abril. Um Abril confinado foi muito estranho.

E assim de repente lembrei-me daquele chico esperto… na altura chamei-lhe intelectual de café, que veio à minha página, acusar-me de ser alarmista. Não, não esqueci! Porque me enervou a prepotência da criatura, que chegou a chamar-me ignorante e mal informada  ele é que é malformado, que é bem pior que ser mal informada, e como acredito que continua a vasculhar os meus desabafos, embora de forma escondida, melhor de forma cobarde, vamos ver se me apanha aqui. Será bem vindo! A necessidade de deixar os blogues foi para fazer um refresh, uma vez que já estava cansada do formato, mas vou recuperar alguns textos que tinha, se for possível todos, procurando aproximar a data da escrita!

Aqueles que não acreditaram na seriedade desta situação e que gozaram com ela, são também aqueles que, com toda a certeza andam lá fora, na rua! Bem basta aqueles que têm mesmo que o fazer, para que nós, os que estamos em casa, possamos continuar a vida de forma menos má. Por isso, continua a impor-se que fiquemos em casa. As medidas vão começar a ser aligeiradas, mas é bom que não falicitemos e continuemos a cumprir as regras. Para que tudo não volte atrás!

28
Abr20

É para ficar fechado, ou é para ir comemorar?

por cristina mota saraiva

 

Estou incrédula com o que acabo de ler no Expresso!! Transcrevo: “Os problemas dos trabalhadores têm de ter voz na rua", diz Isabel Camarinha. A Intersindical vai reunir-se com a Direção-Geral de Saúde, mas já decidiu que, pelo menos em Lisboa e no Porto, haverá comemoração pública do 1º de Maio. A líder vai discursar na Alameda e os participantes deverão usar máscara e manter entre si uma distância de segurança de cinco metros(…)”. Estou mesmo a ver, alguns até devem levar fita métrica!

Como se isto não bastasse, vão, igualmente ser realizadas as comemorações do 25 de Abril, embora estas mais recatadas. Tudo normal para um país de brandos costumes. Nós ficamos fechados em casa e os democratas vão todos comemorar e conviver. Vá lá, pelo menos a democracia permite isso.

Agora, já a minha avó dizia que “o exemplo vem de cima”. Não se admirem, pois, que o fim-de-semana seja passado na praia”. Ou talvez não, porque aí as autoridades vão atuar, com toda a certeza!

É assim este país! E como dizia alguém num comentário, ‘podem morrer, mas morrem democratas’. Pois que seja, mas o problema prevalece e depois, quem paga? Para que servem todas as campanhas do “fique em casa”, que percorrem o país?

Mas, não ficamos por aqui em termos de liberdade democrata (?): é que “os emigrantes podem circular sem qualquer restrições no território Nacional”, segundo as palavras do Ministro da Administração Interna.

Então, em que ficamos? Mais uma vez o portuguesinho a ser achincalhado!! Onde andam os políticos defensores dos nossos direitos???

Eu por mim cá continuo fechadinha em casa. No entanto, eu até tenho sorte pois um pequeno espaço exterior permite-me apanhar uns raios de sol e um arzinho!

 

Mas e todos os outros???

Haja decência neste Portugal. Ninguém se entende e no final, esperemos que não, os cumpridores, podem vir a ser os atingidos.

Mas há mais!! A Linha Saúde também não está a cumprir, na íntegra a sua função. As queixas são mais que muitas!!! Desde não falar uma língua, nomeadamente o Gali, como acabo de ouvir agora. Tem que haver uma solução para estas coisas. Quem sabe o Google Tradutor possa ajudar!!

E depois, há o tempo de espera para que a chamada seja atendida. Há, ainda aqueles que nem sequer chegam a ser atendidos… e por aí adiante!

É certo que ninguém estava preparado para esta pandemia. Mas, não é menos verdade que as respostas têm que ser céleres e já deviam estar agilizadas.

Assim, de repente, lembrei-me do meu amigo Rui Esteves, tantas vezes criticado, por apostar no treino e agilização de procedimentos. É que, no final, o resultado era positivo!

27
Abr20

Podem morrer, mas morrem democratas

por cristina mota saraiva

Estou incrédula com o que acabo de ler no Expresso!! Transcrevo: “Os problemas dos trabalhadores têm de ter voz na rua", diz Isabel Camarinha. A Intersindical vai reunir-se com a Direção-Geral de Saúde, mas já decidiu que, pelo menos em Lisboa e no Porto, haverá comemoração pública do 1º de Maio. A líder vai discursar na Alameda e os participantes deverão usar máscara e manter entre si uma distância de segurança de cinco metros(…)”. Estou mesmo a ver, alguns até devem levar fita métrica!


Como se isto não bastasse, vão, igualmente ser realizadas as comemorações do 25 de Abril, embora estas mais recatadas. Tudo normal para um país de brandos costumes. Nós ficamos fechados em casa e os democratas vão todos comemorar e conviver. Vá lá, pelo menos a democracia permite isso.


Agora, já a minha avó dizia que “o exemplo vem de cima”. Não se admirem, pois, que o fim-de-semana seja passado na praia”. Ou talvez não, porque aí as autoridades vão atuar, com toda a certeza!


É assim este país! E como dizia alguém num comentário, ‘podem morrer, mas morrem democratas’. Pois que seja, mas o problema prevalece e depois, quem paga? Para que servem todas as campanhas do “fique em casa”, que percorrem o país?


Mas, não ficamos por aqui em termos de liberdade democrata (?): é que “os emigrantes podem circular sem qualquer restrições no território Nacional”, segundo as palavras do Ministro da Administração Interna.


Então, em que ficamos? Mais uma vez o portuguesinho a ser achincalhado!! Onde andam os políticos defensores dos nossos direitos???


Eu por mim cá continuo fechadinha em casa. No entanto, eu até tenho sorte pois um pequeno espaço exterior permite-me apanhar uns raios de sol e um arzinho!


 


Mas e todos os outros???


Haja decência neste Portugal. Ninguém se entende e no final, esperemos que não, os cumpridores, podem vir a ser os atingidos.


Mas há mais!! A Linha Saúde também não está a cumprir, na íntegra a sua função. As queixas são mais que muitas!!! Desde não falar uma língua, nomeadamente o Gali, como acabo de ouvir agora. Tem que haver uma solução para estas coisas. Quem sabe o Google Tradutor possa ajudar!!


E depois, há o tempo de espera para que a chamada seja atendida. Há, ainda aqueles que nem sequer chegam a ser atendidos… e por aí adiante!


É certo que ninguém estava preparado para esta pandemia. Mas, não é menos verdade que as respostas têm que ser céleres e já deviam estar agilizadas.


Assim, de repente, lembrei-me do meu amigo Rui Esteves, tantas vezes criticado, por apostar no treino e agilização de procedimentos. É que, no final, o resultado era positivo!

25
Abr20

Onde estava no 25 de Abril?

por cristina mota saraiva

Esta é a pergunta retórica que fez história! Lembro-me do dia 25 de Abrli de 1974 e de como as aulas acabaram, na Escola Preparatória de Valadares, freguesia de Vila Nova de Gaia. A professora de Religião e Moral informou a turma do que estava a acontecer um Golpe de Estado. Cabelo emproado, sempre, sem que um só fio saísse do sitio, tal a quantidade de laca que colocava. Um cabelo que impunha respeito e que nos distanciava, ainda mais, dela.

cravo 25.jpg

 

Estava nervosa e sorumbática. Pensando bem, e recordando a figura, era a verdadeira imagem do fascismo, quando fez a comunicação à sala. Nós todos, de bata azul claro vestida, a minha tinha o C bordado no bolso, sentimos a ansiedade e até o medo da professora. Já não me lembro do seu  nome, mas lembro-me do que disse. “Acaba de acontecer um golpe de Estado e, por isso, hoje não haverá mais aulas. Vamos todos para casa!”.

Acho que ficámos contentes e para mim, miudita, pouco significado teve na altura. Acabei por sair da escola e fazer cerca de doze quilómetros, a pé, até casa, na Madalena.

O percurso que normalmente fazia de autocarro, ou comboio, foi feito a pé. Não havia transportes e lá fui eu, pelas estradas vazias e sem movimento, outro cenário pouco habitual e que estranhei. Estranho havia já sido o cenário junto à Estação de Valadares, onde não se via ninguém, Nada!

Continuei sem perceber, o que era isso do tal Golpe de ‘Estado’. Foram cerca de 12 quilómetros entre o pinhal e o alcatrão. Mais tarde, o meu pai explicou-me que os homens que de vez em quando iam lá a casa, durante  a noite à sua procura iam deixar de o fazer. Tinha sido conquistada a liberdade. Eu e a minha mãe vivemos algum medo nas noites do antes 25 de Abril. O meu pai, na altura responsável pelos escritórios de uma empresa, estava destacado em Lisboa e vivia no Largo do Carmo, onde decorreu toda a ação. Nunca chegou a ser preso, mas pouco faltou, porque o seu nome constava dos cadernos da PIDE. Nada estranho porque já ele na altura era jornalista, foi correspondente da Capital, de fraca memória e participava ativamente na vida cultural da Madalena. Nunca mais esqueci o Clube Atlântico da Madalena, onde foi diretor e ainda hoje anda lá em casa um cinzeiro com o símbolo dessa agremiação.

Caminhando pela estrada, cruzei-me com inúmeros jipes carregados de soldados. Um deles embrenhou-se no Pinhal, parou lá mais à frente e os soldados saltaram, correndo todos na mesma direção pinhal adentro.

Era tudo estranho, mas eu estava indiferente. Afinal estava a viver uma grande aventura. Cheguei à Madalena e comecei a subir a rua ingreme. Já estava perto de casa, mas estranhamente, tudo continuava silencioso e nem aquela estrada que dava acesso à praia, sempre movimentada, apresentava o bulício habitual. Não pensava nisso. O cansaço tomava conta de mim e já só queria chegar a casa, na Rua do Barreiro. Subi, passei a ponte sobre a linha férrea e nada, nenhuma azafama lá ao fundo na Estação. Acho que apressei o passo. Depois da ponte, se a memória não me falha, voltei `s esquerda e continuei pelo bairro.  Tudo continuava silencioso. Continuei a andar, passei à casada tia Minda, junto ao Rego da Água, assim se chamava aquele largo e subi, então a rua. Estava quase, só mais um esforço. As ruas continuavam desertas Subi, passei junto áquela casa bonita, com um grande jardim relvado e estava quase lá. A mãe recebeu-me de braços abertos e sossegou a preocupação. Já tinha ido ver de mim à escola. Foi de táxi, mas não deixaram que me falasse comigo, ou sequer me visse. Por isso esteve umas horas, preocupada, sem saber que eu Ovivia uma aventura da qual não me esqueceria, precisamente nesse dia e fruto das contingências.

Onde estava no 25 de Abril. Esta é a minha resposta, algures na estrada entre Valadares e Madalena!o que marcou ainda este dia, na minha lembrança, foi o facto de a televisão só transmitir musica clássica e, de vez enquanto vir um senhor ler uns comunicados.

24
Abr20

Vamos a isto!

por cristina mota saraiva

A necessidade de criar um blog não é de agora. Já tem anos e até já existe um! “Princesa Cis”, de seu nome. Mas cansei-me do formato e decidi mudar. Por isso aqui estou! E vou tentar recuperar o material existente, para o passar para aqui. Sou jornalista, agora afastada por um infortúnio, mas a vontade de escrever mantém-se. O desafio, por parte do professor Bruno Matias, para escrever um livro foi aceite e está em andamento. Mas queria algo mais imediato, onde pudesse escrever o que me apetece. E assim surgiu há alguns anos o tal blog. Depois fiz uma pausa, quando fui confrontada com um AVC, do qual recuperei bem, felizmente. Ainda restam ligeiras sequelas físicas, num pé. O braço esquerdo está definitivamente arrumado. Mas, podia ter sido pior, muito pior… podia até nem estar a escrever estas linhas. Felizmente aguentei-me à bronca e a capacidade mental manteve-se intacta e esta será, também uma forma de continuar a alimentá-la.

Pronto… aqui estou eu tentando ser LEVADA DA BRECA! – uma expressão que resta da minha passagem, durante cinco anos, pela zona do Porto. Vivi na MADALENA freguesia de Gaia, onde voltaria, de novo, sem olhar para trás!!!

Mas, a vida nem sempre nos deixa onde gostaríamos de estar! Claro que gosto MUITO da minha cidade, mas o facto de ter passado ali a minha infância, marcou e apesar dos contactos não serem já nenhuns, com excepção da Leta e do Tó voltaria de bom grado! Estudei na Escola Primária da Madalena e fiz, ainda, os dois primeiros anos da preparatória, na Escola de Valadares, Vamos a isto!!

10
Abr20

A madrinha faz anos!!

por cristina mota saraiva

São 98 anos hoje completados. Muita idade já para perceber que hoje é um dia especial! A avó Piedade está de parabéns! O ano passado estava ainda em condições de perceber, hoje já não.

madrinh 1.jpeg

 

Para além de avó é também madrinha e foi na casa dela que passei momentos bons de criança e adolescente. Estava lá muitas vezes e também fui muito feliz, na casa dela. Nos verões, quando vinha do Porto era para lá que ia. Da casa da avó Leopoldina, para a casa da avó Piedade, ou seja do Cansado, na Rua Padre Manuel Crespo, para a íngreme Rua d’Ega lá, ia eu amiúde, para o numero 71. De resto os meus dois primeiros anos – a primeira e a segunda classe, de Escola Primária foram feitos na Escola doCastelo, a única que me aceitou, com cinco anos acabados de fazer (faço anos a 11 de Setembro e, naquele tempo, a idade mínima de entrada na Escola Primária, assim se designava era de seis anos e na altura as aulas começavam, impreterivelmente a 2 de Outubro). Mas lá entrei. Se de inicio a avó Leopoldina me acompanhava, depressa comecei a ir sozinha, e na pausa para o almoço, era para casa da avó Piedade que me dirigia. Depois, ao final da tarde regressava ao Cansado. Foi assim ao longo dos dois primeiros anos escolares. Depois fui para a Madalena, freguesia de Vila Nova de Gaia, onde completei os dois anos seguintes, até entrar na Escola Preparatória de Valadares.

Era na casa da madrinha que passava o Verão. Ela não me recusava nenhum pedido e fazia-lhe companhia. Mesmo quando ia levar o almoço ao avó Zé, que trabalhava nos “Claras”, empresa de transportes, naquele tempo, e que tinha oficinas junto ao Bairro da Horta d ´Álva, onde diária e religiosamente, a madrinha ia levar o almoço. Eu também. Outros tempos… ia e regressava com ela para a Rua d´Éga.

Foi aí onde sempre morou, pelo menos da minha lembrança, pois a mãoe recorda que moraram antes, no Cansado.

Era a casa da Avó Piedade e foi ali, também onde desenvolvi grande cumplicidade com o meu tio José Manuel, para nós, e ainda hoje, o Manelito.

A minha presença era constante e isso gerava, até alguma ciumeira na prima e ainda hoje, me intitulam como neta preferida! Com muito orgulho!

A madrinha faz anos, embora a comemoração seja só nossa! Parabéns!

São 98 anos hoje completados. Muita idade já para perceber que hoje é um dia especial! A avó Piedade está de parabéns! O ano passado estava ainda em condições de perceber, hoje já não.

Para além de avó é também madrinha e foi na casa dela que também passei momentos bons de criança e adolescente. Estava lá muitas vezes e também fui muito feliz, na casa dela. Nos verões, quando vinha do Porto era para lá que ia. Da casa da avó Leopoldina, para a casa da avó Piedade, ou seja do Cansado, na Rua Padre Manuel Crespo, para a íngreme Rua d’Ega lá, ia eu amiúde, para o numero 71. De resto os meus dois primeiros anos – a primeira e a segunda classe, de Escola Primária foram feitos na Escola do Castelo, a única que me aceitou, com cinco anos acabados de fazer (faço anos a 11 de Setembro e, naquele tempo, a idade mínima de entrada na Escola Primária, assim se designava era de seis anos e na altura as aulas começavam, impreterivelmente a 2 de Outubro). Mas lá entrei. Se de inicio a avó Leopoldina me acompanhava, depressa comecei a ir sozinha, e na pausa para o almoço, era para casa da avó Piedade que me dirigia. Depois, ao final da tarde regressava ao Cansado. Foi assim ao longo dos dois primeiros anos escolares. Depois fui para a Madalena, freguesia de Vila Nova de Gaia, onde completei os dois anos seguintes, até entrar na Escola Preparatória de Valadares.

Era na casa da madrinha que passava o Verão. Elanão me recusava nenhum pedido e fazia-lhe companhia. Mesmo quando ia levar o almoço ao avó Zé, que trabalhava nos “Claras”, empresa de transportes, naquele tempo, e que tinha oficinas junto ao Bairro da Horta d ´Álva, onde diária e religiosamente, a madrinha ia levar o almoço. Eu também. Outros tempos… ia e regressava com ela para a Rua d´Éga.

Foi aí onde sempre morou, pelo menos da minha lembrança, pois a mão recorda que moraram antes, no Cansado.

Era a casa da Avó Piedade e foi ali, também onde desenvolvi grande cumplicidade com o meu tio José Manuel, para nós, e ainda hoje, o Manelito.

A minha presença era constante e isso gerava, até alguma ciumeira na prima e ainda hoje, me intitulam como neta preferida! Com muito orgulho!

A madrinha faz anos, embora a comemoração seja só nossa! Parabéns!

 

ESTE TEXTO FOI ESCRITO NO DIA DE ANIVERSARIO DA MADRINHA! DIAS DEPOIS FALECEU. A 28 DE MARÇO! 

01
Abr20

O sonho comanda a vida

por cristina mota saraiva

Os dias correm lentos, um após outro. Procuro algo para fazer e ocupar a mente. Dou por mim a pensar nas férias. Vá-se lá saber porquê…

Nestes dias em que a chuva ainda não chegou, mas a neve quis dar um ar da sua graça, lá mais para o norte. A ninguém lembrava que isto pudesse acontecer, as atenções estão concentradas noutras coisas, mas, pensando bem, estamos na Páscoa.

Nestes dias em que a manhã começa de noite e à tarde anoitece cedo… a hora mudou, mas as rotinas têm que se manter!

A vida continua, mas demora a passar e ainda bem… Não é isso que todos queremos? Talvez assim, o tempo corra mais devagar. IIusão pura, o que aquele bichinho havia de nos trazer?

Bem vistas as coisas, este é um sinal da natureza, a avisar-nos para vermos o que andamos a fazer. Hoje, um tempo com muito tempo, é bom… podemos pensar!

E eu penso e de repente vêm à memória as minhas férias de outros tempos que eram passadas na minha cidade, onde só voltava no Verão, em forma de imigrante.

Quando a maioria ia para a praia eu regressava à minha cidade. Praia tinha eu todo o ano. Ano cheio de saudades, esbatidas pelo olhar do mar, na areia, onde as ondas vinham também esbater-se.

A casa da minha avó também tinha saudades minhas e esperava, igualmente ansiosa, o meu regresso. Os campos ao redor também tinham saudades minhas e a primeira coisa que fazia, quando regressava para as férias de verão era voltar a saltar por eles.

Ali fui feliz! Naquele tempo, o horizonte estendia-se, os poços e as noras, estavam sempre lá e o perigo nem sequer era hipótese. Eles estavam lá, sempre à minha espera, minha e dos meus primos. E quando deambulávamos por lá e nos demorávamos, esquecidos entre as pedras e o mato… alguém da varanda chamava por nós. Não havia telrmóveis!

As brincadeiras eram desenvolvidas ali, no meio das pedras e do mato, das árvores e das hortas que não podíamos pisar. Aquela velhota com ar de bruxa, há sempre uma em todas as histórias, vagueava por ali, qual guardiã do tempo em que havia tempo, para brincadeiras, para asneiras e para o perigo que nunca víamos.

Era precisamente ali, entre os prédios que agora lá estão e que, sem eu perceber, foram subindo  em altura e ocupar aquilo que chamávamos de Miradouro, ocuparam, igualmente, aquelas quintas. A casa da avó ainda lá está, mas já não é a casa da avó!

 Era por aí, entre a casa da avó, o miradouro e as hortas e quintas, que desenvolvia as minhas brincadeiras. Eu e os meus primos, nas férias.

Para os dias menos bons, que também os havia, quando chovia. Lá estava a solução, no sótão da avó, nós chamávamos-lhe forro Ah!... se aquele forro falasse…

Era eu, a Tininha, a Tuxa e a Tété… que ali fomos crescendo… e aprendendo…primas muito unidas, mas depois a vida foi-nos afastando.

De tudo isto e mais alguma coisa, sobra de uma infância feliz! Muito Feliz!!!

Por ali, entre as hortas que o homem deixou de cultivar, o miradouro também desapareceu e, de repente, subiram prédios em altura, sem que para isso houvesse necessidade. Afinal a minha cidade é plana, não precisava de prédios altos!

No meio de tudo isto, sobrou aquela pedra!

Uma pedra que tantas vezes serviu de escorrega e que um dia me valeu um grande ralhete, seguido de um castigo, porque as calças, acabadinhas de estrear, novinhas, que a mãe acabara de fazer, chegaram rotas a casa. Sim, rotas! A culpa foi da pedra que resistiu ao tempo e à evolução e que ainda hoje lá está, para me lembrar a minha infância feliz e o castigo que me valeu. Mas, o que é certo, é que o prazer de ter escorregado pela pedra, esse ainda hoje resiste!

E as calças, puf, a mãe fazia outras. Sim, desde pequena que eu passeava os modelitos mais sofisticados da moda.

A mãe conta que passava pela única loja de roupa de criança que havia na cidade, parava junto à montra e fixava os modelos. Chegava a casa e fazia. Assim que saia à rua com o novo fato, saia, vestido, calças ou camisa, o sucesso era garantido.

Tanto que a vizinha do prédio cor de rosa logo se apressava a fazer igual para a filha. Invejosa!...

Mas, não havia problema. A mãe depressa se lançava a modificar tudo, para que eu continuasse a vestir modelos exclusivos!

É pois ela a culpada de eu ainda hoje ainda continuar a gostar de exclusivos.Só que hoje a mãe já não faz  os exclusivos e tenho que me sujeitar ao que existe nas lojas!

Mas as memórias que aquela pedra ma traz valem mais que tudo isso!

 

01
Abr20

A pedra da minha infância!

por cristina mota saraiva

Os dias correm lentos, um após outro. Procuro algo para fazer e ocupar a mente. Dou por mim a pensar nas férias. Vá-se lá saber porquê…

Nestes dias em que a chuva ainda não chegou, mas a neve quis dar um ar da sua graça, lá mais para o norte. A ninguém lembrava que isto pudesse acontecer, as atenções estão concentradas noutras coisas, mas, pensando bem, estamos na Páscoa.

Nestes dias em que a manhã começa de noite e à tarde anoitece cedo… a hora mudou, mas as rotinas têm que se manter!

A vida continua, mas demora a passar e ainda bem… Não é isso que todos queremos? Talvez assim, o tempo corra mais devagar. IIusão pura, o que aquele bichinho havia de nos trazer?

Bem vistas as coisas, este é um sinal da natureza, a avisar-nos para vermos o que andamos a fazer. Hoje, um tempo com muito tempo, é bom… podemos pensar!

E eu penso e de repente vêm à memória as minhas férias de outros tempos que eram passadas na minha cidade, onde só voltava no Verão, em forma de imigrante.

Quando a maioria ia para a praia eu regressava à minha cidade. Praia tinha eu todo o ano. Ano cheio de saudades, esbatidas pelo olhar do mar, na areia, onde as ondas vinham também esbater-se.

A casa da minha avó também tinha saudades minhas e esperava, igualmente ansiosa, o meu regresso. Os campos ao redor também tinham saudades minhas e a primeira coisa que fazia, quando regressava para as férias de verão era voltar a saltar por eles.

Ali fui feliz! Naquele tempo, o horizonte estendia-se, os poços e as noras, estavam sempre lá e o perigo nem sequer era hipótese. Eles estavam lá, sempre à minha espera, minha e dos meus primos. E quando deambulávamos por lá e nos demorávamos, esquecidos entre as pedras e o mato… alguém da varanda chamava por nós. Não havia telrmóveis!

As brincadeiras eram desenvolvidas ali, no meio das pedras e do mato, das árvores e das hortas que não podíamos pisar. Aquela velhota com ar de bruxa, há sempre uma em todas as histórias, vagueava por ali, qual guardiã do tempo em que havia tempo, para brincadeiras, para asneiras e para o perigo que nunca víamos.

Era precisamente ali, entre os prédios que agora lá estão e que, sem eu perceber, foram subindo  em altura e ocupar aquilo que chamávamos de Miradouro, ocuparam, igualmente, aquelas quintas. A casa da avó ainda lá está, mas já não é a casa da avó!

 Era por aí, entre a casa da avó, o miradouro e as hortas e quintas, que desenvolvia as minhas brincadeiras. Eu e os meus primos, nas férias.

Para os dias menos bons, que também os havia, quando chovia. Lá estava a solução, no sótão da avó, nós chamávamos-lhe forro Ah!... se aquele forro falasse…

Era eu, a Tininha, a Tuxa e a Tété… que ali fomos crescendo… e aprendendo…primas muito unidas, mas depois a vida foi-nos afastando.

De tudo isto e mais alguma coisa, sobra de uma infância feliz! Muito Feliz!!!

Por ali, entre as hortas que o homem deixou de cultivar, o miradouro também desapareceu e, de repente, subiram prédios em altura, sem que para isso houvesse necessidade. Afinal a minha cidade é plana, não precisava de prédios altos!

No meio de tudo isto, sobrou aquela pedra!

Uma pedra que tantas vezes serviu de escorrega e que um dia me valeu um grande ralhete, seguido de um castigo, porque as calças, acabadinhas de estrear, novinhas, que a mãe acabara de fazer, chegaram rotas a casa. Sim, rotas! A culpa foi da pedra que resistiu ao tempo e à evolução e que ainda hoje lá está, para me lembrar a minha infância feliz e o castigo que me valeu. Mas, o que é certo, é que o prazer de ter escorregado pela pedra, esse ainda hoje resiste!

E as calças, puf, a mãe fazia outras. Sim, desde pequena que eu passeava os modelitos mais sofisticados da moda.

A mãe conta que passava pela única loja de roupa de criança que havia na cidade, parava junto à montra e fixava os modelos. Chegava a casa e fazia. Assim que saia à rua com o novo fato, saia, vestido, calças ou camisa, o sucesso era garantido.

Tanto que a vizinha do prédio cor de rosa logo se apressava a fazer igual para a filha. Invejosa!...

Mas, não havia problema. A mãe depressa se lançava a modificar tudo, para que eu continuasse a vestir modelos exclusivos!

É pois ela a culpada de eu ainda hoje ainda continuar a gostar de exclusivos.

Só que hoje a mãe já não faz  os exclusivos e tenho que me sujeitar ao que existe nas lojas!

Mas as memórias que aquela pedra ma traz valem mais que tudo isso!


Mais sobre mim

foto do autor


Arquivo

  1. 2021
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2020
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2019
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ
  40. 2018
  41. JAN
  42. FEV
  43. MAR
  44. ABR
  45. MAI
  46. JUN
  47. JUL
  48. AGO
  49. SET
  50. OUT
  51. NOV
  52. DEZ
  53. 2017
  54. JAN
  55. FEV
  56. MAR
  57. ABR
  58. MAI
  59. JUN
  60. JUL
  61. AGO
  62. SET
  63. OUT
  64. NOV
  65. DEZ
  66. 2016
  67. JAN
  68. FEV
  69. MAR
  70. ABR
  71. MAI
  72. JUN
  73. JUL
  74. AGO
  75. SET
  76. OUT
  77. NOV
  78. DEZ
  79. 2015
  80. JAN
  81. FEV
  82. MAR
  83. ABR
  84. MAI
  85. JUN
  86. JUL
  87. AGO
  88. SET
  89. OUT
  90. NOV
  91. DEZ


subscrever feeds